"Olha agora para os céus, e conta as estrelas, se as podes contar. E disse-lhe: Assim será a tua descendência..."

Vamos orar pela Chechênia!

Separe cinco minutos para ler e orar pela Igreja Perseguida!

Uma campanha do Instituto Ágape de Evangelismo e Missões, em apoio ao trabalho da Missão Portas Abertas e aos cristãos perseguidos por causa do Evangelho.

A Igreja e a Perseguição Religiosa

A Igreja

O Cristianismo teria chegado à região do Cáucaso nos primeiros séculos de dominio político-militar do Império Bizantino sobre suas terras. Os bizantinos tinham muito interesse em controlar o comércio no Mar Negro e para isso precisavam controlar a região.

No século XVI, os russos conquistaram a região nordeste do Cáucaso, procurando exercer sua influência cristã sobre os nativos. A Igreja Ortodoxa Russa exerceu, por séculos, importante influência política e religiosa na região.

Estima-se que atualmente haja cerca de 24 milhões de habitantes na região do Cáucaso (região onde se encontra a Chechênia); desse total, 8 milhões são cristãos, sendo que a Chechênia é a única “província” (a Rússia não reconhece o Estado Checheno) com maioria muçulmana.

Perseguição

Organizações islâmicas políticas e religiosas pressionam a sociedade para aderir à fé muçulmana. Elas implementam as suas próprias leis em um país onde a autoridade do governo central é favorável ao islamismo.

O próprio presidente tem poder considerável. Há pouco tempo, ele decretou que todas as estudantes e funcionárias públicas da Chechênia deveriam cobrir a cabeça com véu. As autoridades locais e a família também pressionam os convertidos para voltar ao islamismo, controlando seus movimentos e atividades.

Como o cristianismo é associado, muitas vezes, com a Rússia, alguns até marcam o conflito checheno como um confronto entre cristianismo e islamismo. Por causa dessa associação, tornar-se cristão significa "tornar-se russo", o que já é motivo suficiente para que a perseguição comece. Ter a Bíblia em casa representa um grande risco.

História e Política

Localizada no sul da Rússia, a República da Chechênia é rodeada em quase todos os lados pelo território russo, mas compartilha sua fronteira com a Geórgia, nas montanhas do Cáucaso. Não se sabe ao certo a origem do nome Chechênia, o que se sabe é que provavelmente deriva da palavra chechen, nome de um povo que habitou a região. Os chechenos se denominam “nokhchis”, que significa povo.

A Chechênia é uma das 21 repúblicas do território russo situadas nas montanhas de Cáucaso. Os russos anexaram a região ao seu território em 1859, superando a resistência do imã Shamil, depois de uma campanha longa e sangrenta. Desde então, há um movimento de resistência na área. No começo, os chechenos rejeitavam a colonização da Rússia e lutavam pela criação de um Estado islâmico. A presença de petróleo e sua posição estratégica no Cáucaso são fatores importantes neste conflito contínuo.

A Primeira Guerra Chechena (1994-96) foi causada pela tentativa do país de se separar da Rússia, e pela tentativa russa de impedir que isso acontecesse. O conflito foi seguido por um período de ausência de lei, incitando forças russas a invadir e recapturar a cidade de Grozny - a Segunda Guerra Chechena (1999-2000).

A década passada viu várias campanhas russas para manter a influência na região. O presidente Ahmed Kadyrov, escolhido pela Rússia para dirigir a Chechênia, foi morto em maio de 2004 em um atentado a bomba. Seu filho, Ramzan, foi escolhido para ser o vice-primeiro ministro e seu dever é combater o terrorismo. No outono de 2007, Ramzan foi empossado presidente da Chechênia.

Conforme órgãos de direitos humanos na região, os kadyrovtsy (o "exército" do presidente Ramzan Kadyrov) são responsáveis por muitos dos sequestros, tortura e assassinatos que se realizam nessa área volátil.

Há alguns anos, a capital Grozny foi bombardeada e ficou em ruínas. Hoje, a cidade mais se assemelha a um canteiro de obras. A corrupção é, contudo, prevalecente na região, tanto entre os russos como chechenos. O impacto de qualquer programa de reconstrução é impedido pela corrupção e má administração.

O desemprego na república atinge 85%, especialmente nas áreas fora de Grozny. Quase toda a população vive abaixo da linha de pobreza. Algumas pessoas, contudo, ficaram ricas na guerra e um número de mansões muito grandes e luxuosas está sendo construído. O principal produto é o petróleo, de qualidade excepcionalmente alta.

População

As maiores etnias da Chechênia são os chechenos e os inguches. A população do país é composta majoritariamente de muçulmanos sunitas, mas antes da chegada do islamismo à região os habitantes tinham práticas e crenças religiosas diversas, principalmente rituais ligados à natureza. Devido aos constantes conflitos militares entre a Chechênia e a Rússia, há milhares de refugiados chechenos habitando em países vizinhos.

Economia

Como efeito das constantes guerras com a Rússia, a Chechênia teve cerca de 80% de sua economia destruída. O território da Chechênia é rico em petróleo, calcário, gesso, enxofre e diversos outros minerais, mas a corrupção e as guerras pela independência impedem o crescimento e o desenvolvimento econômico do país.

Motivos de oração:

- Pela pequena comunidade cristã na Chechênia, que em seus cultos tem no máximo de 3 a 5 membros.

- Pelos cristãos que estão sendo ameaçados de morte e precisam deixar o país para se protegerem.

- Pelos jovens da Chechênia que estão desapontados com a corrupção do governo e com a grande taxa de desemprego. Ore para que eles descubram o chamado de Deus para vida deles.

Fonte: Missão Portas Abertas