"Olha agora para os céus, e conta as estrelas, se as podes contar. E disse-lhe: Assim será a tua descendência..."

SR. CRISTÃO, VOCÊ TAMBÉM É UM MISSIONÁRIO?

Com o passar dos anos o senso comum evangélico nos legou alguns estereótipos. Dentre tantas funções a serem realizadas pelo crente uma das que ganharam destaque foi a de ser “missionário”. Portanto, aprendeu-se que há o cristão e o missionário. De modo que, todo missionário é cristão, e nem todo cristão é missionário. Algo obsoleto não é?, uma vez que a palavra ‘cristão’ nos remete a ser imitador de Cristo, e ninguém melhor do que ele como modelo de se fazer missões.

Sabemos que ser missionário é critério intrínseco ao discipulado de Cristo, e que portanto, aquele que cumpre o seu IDE está fincado na obediência missionária do mestre. Mas, se quiséssemos não contrariar esta perspectiva estereotipada, e se realmente levássemos em conta níveis de comprometimento e renúncia, quem seriam os verdadeiros missionários?

Recentemente visitei o estado de Piura, norte do Peru. Fui conhecer o projeto de plantação de igrejas naquele local assim como o PEPE (Programa de Educação Pré-Escolar), ambos liderados pelo pastor Leonardo Gonçalves (fundador do site Púlpito Cristão) e sua esposa Jonara Gonçalves. Longe de qualquer romantismo missionário, o que fui fazer ali em Piura não passou de uma visita que durou cinco dias onde pude oferecer um simples apoio a obra de nossos irmãos. Entretanto quando se vai a um local como Piura, que fica em meio a um enorme deserto, onde menos de 3% da população é evangélica e o sincretismo religioso impera, onde a disparidade social é alarmante, onde se anda quilômetros e não se vê uma igreja evangélica, onde assentamentos humanos em meio ao nada são erguidos... aí você pára e pensa: “que ceara é esta meu Deus?! Onde estão os missionários?” Neste momento você reprocessa tudo que aprendeu e viveu sobre missões no teu país, e quando se pensa em ensinar algo, seja lá o que for, inevitavelmente  tudo se inverte e você começa a aprender com tudo que ouve e vê naquele local.

Então, algumas observações passam a ser pertinentes, uma delas é que, no Brasil há muitos “missionários”, mas infelizmente são missionários que nunca deixaram suas zonas de conforto e seus projetos pessoais. Não desmerecendo outros tipos de missões (até porque eu mesmo trabalho na área de dependência química) como missões urbanas nas grandes cidades, ou algo do tipo, vejo que há uma preferência comum entre os jovens pastores e missionários em permanecerem em suas zonas de formação.

Aprendemos então que fazer a típica missões conforme as escrituras ensinam tem muito a ver com o ‘perder a vida’, de modo que se o nosso cristianismo anda cooperando com nossos egocêntricos projetos e sucesso de vida, esta 'missão' é uma barca furada – na verdade é uma barganha adaptada ao NOSSO projeto de felicidade, e não na vontade de Deus.

Aprendemos que a nossa leitura geográfica de carência no reino anda equivocada, uma vez que no Brasil os seminários andam lotados de teólogos e missionários que estão mais preocupados em serem reconhecidos entre seus pares do que ir aonde há maior demanda de compaixão e serem abraçados pelos ‘insignificantes’ - estes são preciosos aos olhos de Deus, são os grandes alvos do "disfarce" de Jesus (Mt 25.35).

Na verdade, o que estou tentando dizer não é que para fazer “missões” seria preciso alguém deixar sua casa e fugir para o Peru, África, ou para o sertão do nordeste. O que quero dizer é precisamos aprender muito em relação ao nível de renúncia, contentamento e comprometimento daqueles que deixaram o conforto de suas casas, país e língua para arriscarem suas vidas por amor aos esquecidos, desamparados e carentes do Evangelho de Jesus. Por isso, se a minha e a sua missão de ser discípulo de Jesus na cidade ou na fazenda, dentre os ricos ou dentre os pobres, não corresponderem às mesmas motivações do missionário que não priorizou seu conforto, certamente seremos confrontados com a Cruz e padeceremos com a nossa hipocrisia diante de Deus.

Lamentavelmente, termino supondo que: se ser missionário conforme a tradição de grande parte da igreja brasileira tem a ver com uma escala de renúncia inversamente proporcional entre os projetos pessoais do cristão e a demanda de compaixão dentre os povos e nações, não restará dúvidas: no Brasil há um amontoado de cristãos, e uma “meia dúzia” de missionários.

Antognoni Misael, colunista e co-editor do Púlpito Cristão.
http://www.pulpitocristao.com